Espumante e ostras!

Como disse lindamente a Renata Lima, cozinhar é uma celebração. A minha festa já começa com a ida ao Mercado Municipal de Curitiba, porque é lá que se encontram os melhores ingredientes. Mas não só. Tem também pessoas muito interessantes, dos mais variados tipos. Gosto sempre de comprar nas mesmas lojas e banquinhas porque acabo ficando conhecida e já sabem o meu gosto.

Adoro queijo parmesão uruguaio, sempre compro na mesma loja e a moça que me atende sabe que gosto de ralado fino, apesar de demorar uma eternidade. Enquanto ela está ralando o queijo, fico passeando na loja e vendo as novidades, a promoção do vinho, as azeitonas gigantes, e por aí vai.

Tem a loja em que compro as bebidas, sempre tem novidades e o rum é mais barato. Da última vez, comprei três espumantes e ganhei uma taça. Não entendi o motivo de ser uma taça apenas já que era dia dos namorados. Vai ver que era para a pessoa sem namorado tomar um porre e ir dormir, ou então, para beber na mesma taça romanticamente. Sei lá.

Gosto muito de comprar frutas e verduras na banquinha da Helena. Ela é japonesa e muito atenciosa, acho engraçado ela usar um bob no cabelo. Um só. Na franja. Figuraça. Sempre tem os melhores tomates e, se algo não está gostoso, como um melão sem gosto, ela avisa. Adoro.

Faz algum tempo que comemoração é sinônimo de frutos do mar. Talvez por ser caro e não comermos sempre, virou sinônimo de festa. Ostra, na minha modesta opinião, é a melhor comida. Imbatível. Ostras e espumante é uma combinação que melhor reflete meu espírito de celebração.

Ao comprar ostras todo cuidado é pouco, a ideia é ninguém ter intoxicação. Duas coisas são importantes: saber a procedência e elas estarem frescas. As ostras de Florianópolis são as melhores que comi na vida. Gosto delas da maneira mais simples possível, assadas no forno ou na churrasqueira com algumas gotas de limão e só.

As ostras assando.

Ostras vistas de pertinho.

A parte mais difícil, sem dúvida nenhuma é abrir a ostra. É comum acontecer acidentes, por isso é necessária muita calma nessa hora.

Ostras prontinhas!Aconselho a quem nunca comeu ostra a experimentá-la gratinada com molhinho branco por cima. Vale muito a pena. Viva a vida! “Tintim!”

Publicado em Quarta Gorda, Uncategorized | Marcado com , | 6 Comentários

Festa com panqueca

A primeira vez que eu cozinhei para amigxs na minha casa, fiz panquecas. Foi ótimo e até hoje é uma das coisas que mais gosto de preparar, porque a gente pode agradar várias pessoas fazendo recheios diferentes.

Então o que dá mais trabalho é fritar a massa, requer um pouco de paciência – mas caso você não ligue em comprar massa pronta, a da marca Massa Leve é bem gostosa e não tem muitos ingredientes estranhos na composição.

É bom também ter duas opções de molhos, geralmente preparo um molho branco simples e um molho de tomates.

Dá para ajeitar tudo de véspera e deixar a montagem para o dia da comemoração.

A massa:

1 xícara de farinha de trigo.

½  xícara de maisena.

2  ovos

1 xícara de leite

2 colheres de óleo

– bata os ovos, o leite e as farinhas no liquidificador até que fique bem pastoso.

-unte uma frigideira antiaderente com o óleo e deixe ficar bem quente.

-despeje uma camada fina da massa, gire a frigideira até que ela esteja homogeneamente espalhada e fique observando a massa até ela se soltar e, então, vire (pode usar uma espátula ou aquele truque ninja de filme de jogar a massa pra cima e tal – nunca consegui e sempre fiz caca quando tentei isso).

-Se necessário, unte novamente a forma para fritar a próxima panqueca.

Recheios:

Frango desfiado (eu gosto de fazer cremoso: numa panela tempero o frango desfiado e depois acrescento meia xícara de leite e uma colher de maisena, vou mexendo até que vire um creme).

Carne moída.

Espinafre com ricota.

Palmito (também gosto de fazer um creme, semelhante ao que faço com o frango).

Montagem:

 -Coloque uma pequena porção do recheio preparado previamente e enrole a massa. Não dá pra colocar um montão de cada vez, senão a massa não enrola.

-Cubra com um molho de sua preferência e queijo ralado.

– Leve ao forno quente para gratinar.

– E se fizer a massa com antecedência, tire da geladeira um bom tempo antes de enrolar, porque senão ela quebra.

Sei que existem versões vegan de panqueca, então é um ótimo cardápio para todos os paladares.

Coloque o se disco preferido no tocador e vá enrolando as panquecas, enquanto espera os seus convidados. Ou enrole junto com os convidados, todos cantando juntos: leeeeeeeeeeeilaaaaaaaaaa

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Celebrando uma tarde de sol

Comida está no centro de tudo: come-se em momentos alegres, tristes, amigos se reúnem em torno da mesa, a família também. Celebram-se casamentos, aniversários, promoções, nascimentos, mas também bebe-se uma tristeza, um falecimento, por que não?

Decidi celebrar uma tarde de sol muito bonita e razoavelmente silenciosa e fui à cata de um bolo de chocolate. Os mais atrativos pediam batedeira, que não cabe na minha cozinha atualmente (quero que se lasque, será minha próxima aquisição, depois vejo se a caixa cabe no alto do armário, onde já tenho um faqueiro fechado) ou pediam chocolate em barra, que eu não tinha (e não ia sair para comprar na hora). Então fechei o navegador e fui ao meu caderno estropiado de receitas. Encontrei um bolinho que nem de chocolate era, e estava ali esquecido, anotadinho há muitos anos sem ter sido experimentado. O que fiz com ele ficará doravante conhecido como…

O Fabuloso Bolo Troca-Troca!

A receita dizia assim:

3 ovos batidos

3/4 de xícara de óleo

1 1/2 xícara de açúcar

2 xícaras de farinha de trigo

2 colheres (sopa) de canela

Misture até fazer bolhinhas de ar e a seguir acrescente:

1 colher (sopa) de fermento

4 bananas nanicas cortadas em rodelas

3 maçãs médias, com casca e sem sementes, picadas

Coloque em forma untada e polvilhe com 1 xícara de nozes picadas e 2 colheres (sobremesa) de canela e 1 colher (sobremesa) de açúcar. Asse em forno médio por 30 minutos.

Pois muito bem.

O açúcar? Troquei por açúcar mascavo.

A canela? Troquei por 1 1/2 colher de sobremesa de gengibre em pó

A massa ficou meio grudentona e achei mesmo que fosse entortar meu batedor de bolo, veja só. Então coloquei, aos poucos, mais ou menos meia xícara de água fervendo e mexi mais.

As frutas troquei um pouco: coloquei uma maçã picada, uma pera picada e troquei aquele monte de banana nanica por uma banana prata em rodelinhas (que cortei em duas). Coloquei o bolo para assar numa forma de buraco e esperei, ansiosa, pra ver que bicho ia dar.

Então agora estou aqui celebrando que tanta troca num bolo só deu certo e ficou bom pra caramba. Motivo de sobra, não?

Publicado em Desafio da Semana, S.O.S. Doçura | Marcado com , , , ,

Celebração!

O desafio da semana, da Anne Rodrigues, é qual a comida que a gente faz para celebrar a vida.

Bem, comida, comida, não faço não.

Mas faço comidinha para celebrar com cerveja. Com vinho. Com tequila!

Fígado com cebola, patê de atum, fácil de fazer e delícia com torradinhas. Batata frita!!!!!!

Para um almoço festivo, lasanha. Nham!

Para um encontro de improviso, risoto vegetariano, amigas e risadas.

Para esquentar em um dia frio, quentão… e Marcha das Vadias!

Celebrando o gozo!

Para um café da manhã tardio, a sós ou acompanhada, torradas da delegada (podem ser parecidas com as torradas de Petrópolis, mas são as “minhas” torradas!)

Então, eu diria que cozinhar, por si, para si ou para os outros, é sempre uma celebração.

E toda celebração merece a presença dos amigos, da família e de uma comidinha bem gostosa.

A Marcha das Vadias em BH foi em Maio, dia 26, sábado. Terminou na praça da Liberdade. E, de novo, nos reunimos depois em um restaurante, o Pizza Sur, e comemos empanadas argentinas.

Para celebrar a Marcha das Vadias, essa coisa linda, essa demanda tão nossa, tão atual, para comemorar uma revolução, sim, eu vou de empanadas, que ainda não testei, mas que estão na minha lista.

A receita que tenho é esta:

Empanadas Argentinas

Ingredientes

  • 500 g de farinha de trigo
  • 1 colher (sobremesa) de sal fino
  • 100 g de margarina para folhado
  • 180 ml de água morna
  • farinha de trigo para polvilhar

Modo de preparo:

Numa tigela coloque 500 g de farinha de trigo misturada com 1 colher (sobremesa) de sal fino acrescente 100 g de margarina para folhado nesta mistura fazendo uma farofa. Junte a água morna aos poucos, até obter uma massa lisa.

Trabalhe bem a massa com as mãos e divida-a em 16 bolas de 50g. Abra a massa com um rolo, até a espessura de +/- 2 mm de altura e corte discos de 13 cm de diâmetro cada, com um cortador. Reserve cada disco separado um do outro com papel filme.

 Montagem das Empanadas:

Coloque uma colher (sopa) do recheio no centro de cada disco. Umedeça a borda do disco com água e feche como um pastel. Dobre a borda formando pregas. Coloque em forma enfarinhada. Pincele as empanadas com gema e asse em forno pré-aquecido a 180ºc por 15 minutos.

Eu adoro o recheio de gorgonzola, mas você pode usar o recheio previsto na tradicional empanada, que é composto de carne (alcátra, cebola, azeitona, ovos… )

A receita é do site do Mais Você.

Beijos e bom sábado!

Tetê e seu cartaz: “Meu corpinho, minhas regrinhas”
Porque a gente quer celebrar um mundo melhor e possível para nossas crianças!

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Desafio semanal

Sábado, 14/07/2012, foi a Marcha das Vadias aqui de Curitiba. Estava lindo, muita gente querida, muita emoção. Ano passado não pude ir, fiquei igualzinha criança que não pode sair de casa vendo amiguinho brincar lá fora. Esse ano foi diferente, fui e levei minha irmã e minha afilhada de 10 anos.
Fiquei emocionada ao ver minha pequena lutando contra a violência praticada com as mulheres. Ela toda importante, tentando entender o motivo de ter que ir às ruas para garantir o direito de ser respeitada independente da roupa que está usando. Ela que não tem vergonha de lutar pelo que quer, seja para organizar os colegas da escola reivindicar a mudança de uma professora, seja para não comer o que não gosta. O que é uma afronta muito grande na nossa família de “comedores de tudo”. Enfim, mudei de assunto. Voltando, queria compartilhar a alegria de ter participado da Marcha desse ano e contar que foi uma celebração da diversidade, do amor e do respeito.

Dessa forma, não poderia ser diferente, o desafio é comemoração. Qual a comida que vocês fazem para celebrar a vida?
Vou adorar saber.

Publicado em Desafio da Semana, Quarta Gorda, Uncategorized | Marcado com | 4 Comentários

Macarrão com almôndega de frango

Antes de eu começar me deixa pedir desculpas, porque o meu dia de publicação foi ontem. Mas, como estamos de férias, eu esqueci completamente, só lembrei na hora de dormir – quando fui fazer o balanço do dia.

Eu tenho uma filha de 7 anos que cisma que pode fazer de tudo, tem curiosidade na mão e uma metralhadora giratória na língua. Então já viram? Raramente eu fico sozinha na cozinha. E ela quer ajudar em tudo, não tenho que convencê-la que ela ainda não tem idade pra manusear facas, descascadores, processadores… Então eu peço pra ela misturar, mexer, enrolar. E uma coisa que a gosta mesmo de fazer são almôndegas. Fazer as bolinhas é com ela mesma.

Ingredientes:

1 peito de frango sem osso.

½  xícara de chá de aveia

1 ovo

Temperos a gosto (salsa, manjericão, alho, pimenta do reino, algumas gotas de limão etc)

Sal a gosto

O macarrão e o molho de tomate de sua preferência

Preparo

Passe o frango no processador junto com os temperos.

Passe o frango para uma tigela e junte  aveia, eu usava farinha de trigo normal, mas a Deborah deu essa dica uma vez e deu super certo, e os o ovo

Veja se dá pra modelar (cuidado: não fica uma massa muito consistente e é assim meio molinha mesmo), se não der ainda, coloque mais aveia até dar o ponto de modelar.

Aí é a vez da pequena, fazer as bolinhas de frango – mãos lavadas e tal. Ela faz a bolinha com cuidado e me passa pra eu jogar na panela quente.

Cozinhe no molho de tomate. O molho tem que estar fervendo e as bolinhas tem que ser jogadas uma de cada vez, senão desmancha tudo.

Depois de uns 20 min no fogo já vai estar cozido aí joga no macarrão escorrido e pronto.

Publicado em Uncategorized

Pequeno chef numa noite fria

Não me lembro de ter frequentado a cozinha tanto assim quando criança. Era a responsável  pelo suco (sempre fruta in natura: laranja, limão, abacaxi, até tamarindo às vezes) do almoço, fiz algumas gelatinas, arrisquei bolo algumas vezes mas já não era propriamente criança…

Então, vários anos depois, a mãe sou eu e às vezes resolvo fazer alguma arte que inclua meu pequeno, que fica felicíssimo em ajudar. Um dia desses fizemos bolo, outro dia ele me ajudou a fazer brownies, sempre uma coisinha e outra. Ele se encarapita em um banquinho, coloco um avental, lavamos as mãos e vamos em frente. Ele fica satisfeito em ver o resultado do trabalho, ver o bolo crescer, sentir o cheirinho pela casa, e experimentar o sabor, claro. É assim que começa, não?

Semanas atrás fomos a uma pizzada na chácara de uma das tias. Era bastante gente, fazia frio e foram preparadas nada menos que treze discos de pizza para serem assados no forno a lenha: a massa foi comprada pronta, o molho (excelente, por sinal, caseiro) também, e vários potinhos e bandejinhas com ingredientes foram esparramados pelo balcão para a montagem, incluindo ganache de chocolate e morangos picados. Meu chef-assistente ajudou a colocar ingredientes em várias pizzas, incluindo as duas doces, falando como uma vitrolinha. Foi gostoso, divertido, com grau de bagunça não muito alto. Barrigas cheias de comida quentinha numa noite frio, sorrisos nos rostos, precisa mais?

Publicado em Desafio da Semana | Marcado com ,