Uma salada é uma salada é uma salada… (um fiapo de filosofia de boteco na cozinha)

O que define uma salada? Existe uma definição formal pra isso? Existe um decreto, um documento oficial que diga “salada é ISSO”? Tem que ser fria? Tem que ser crua? Tem que ter vegetais, tem que ter folhas? Eu pergunto porque num raro momento de televisão ligada peguei o julgamento das iguarias apresentadas pelos participantes de um reality show aos jurados – era um programa australiano. As pessoas diziam coisas como “Fulano, a cobertura do seu bolo bicolor escorreu pelas laterais e isso é INADMISSÍVEL!” ou “sua geleia tem GRAVES PROBLEMAS”. OMG, OMG, vamos filosofar sobre os problemas graves de uma geleia, o que pode ser tão sério com uma…geleia? Um bolo? Não estamos exagerando na normatividade até na hora de lidar com comida? Então fiquei pensando sobre isso, sobre o que podia apresentar como salada aqui.

Não me entendam mal, sou dessas que gosta de salada, que come salada – sem ser obrigada, ainda que minha criança interna (ou meu adulto safado interno) prefira comer pizza todo dia ou tope trocar comida “de caçarola”, como dizia meu vô, por doce. Mas não sou essa pessoa inventiva que mistura coisas assim, na doida, e acabo ficando mais no básico do dia-a-dia. Uma folha, um vegetal cozido no vapor e temperado, cenouras raladas, beterrabas, tomates-cereja com queijo, pepinos em cubinhos. Então fiquei pensando se o que ia apresentar aqui valeria como resposta. Arriscarei.

Lave e deixe de molho por algumas horas cerca de duas xícaras de grão-de-bico. Leve à panela de pressão com água, sal e um fiozinho de azeite até que os grãos fiquem macios. Reserve e enquanto eles esfriam, bem cheirosos e bem tenros, pique rodelas fininhas de cebola, pimentões de todas as cores em tirinhas ou rodelas (tire sementes e a parte mais branca de dentro, dizem que é o que faz cair mal no estômago), tomates sem semente em cubos ou tiras (ou então tomatinhos-cereja partidos em 2), de repente você até inclui ali umas lascas de azeitonas (embora eu ache que elas vão brigar com o pimentão) ou cubinhos de presunto ou peito de peru. Tudo pronto? Junte em uma vasilha grande com o grão-de-bico cozido e tempere com azeite, vinagre ou limão, pimenta, e acerte o sal. Pode juntar cheiro-verde também. Tudo bem misturadinho, tampe a vasilha e deixe na geladeira pra que todos os ingredientes juntos nadem no temperinho antes de servir.

Pra mim é salada. E pra você?

Anúncios

Sobre Deh Capella

Baby we were born to run.
Esse post foi publicado em Desafio da Semana e marcado , . Guardar link permanente.

6 respostas para Uma salada é uma salada é uma salada… (um fiapo de filosofia de boteco na cozinha)

  1. Ótima ideia! Tenho um pouco de grão de bico cozido na geladeira (cozinhei a mais para o cozidão de outro dia), e comprei uns pimentões ontem na feira, vou fazer essa saladinha! 🙂

  2. Das melhores que conheço.

  3. Deh Capella disse:

    Poois é.

  4. Deh Capella disse:

    Cozinha Lavoisier: tudo se transforma, tudo se aproveita! 😉

  5. Danielle Martins disse:

    Adoro grão de bico, tenho sempre em casa. Faço a minha salada só um pouco diferente… pra mim é salada!

  6. Deh Capella disse:

    Ah, conta aí como você faz! 🙂

Os comentários estão encerrados.