Apresentação – Fabiana Nascimento

Então, meu nome é Fabiana Nascimento, Fabiana mesmo, não tenho apelidos, não sou um tipo muito Fabi. Mas vocês podem me chamar como quiser. Esse é um blog sobre comida, feministas cozinhando, sim porque comida é atividade pra tod@s. Todo mundo come, todo mundo tem limpar a bagunça depois – e essa é a pior parte, tanta tecnologia no mundo e ainda não inventaram aquelas pílulas de comida dos Jetsons. Tem dias que eu queria muito, viu?

Falando de casa e de cozinha, vou narrar um pouco da minha história com essa arte, essa magia, essa alquimia que se processa na cozinha de cada um de nós. Minha relação com esse mundo maravilho é bastante conflituosa, sou comedora compulsiva, não nego, tento me curar, uns dias eu consigo, outros não… Mas, sobretudo, sou uma pessoa de fases:

 – Onipotência: tem épocas em que eu penso que posso cozinhar de tudo, de biscoito à conservas; de pães à massas frescas. Receitas com 2500 fases de preparo? Não tem problema, passar o dia na cozinha é amor, nessa fase. Canto e danço, numa vibe bem Branca de Neve mesmo.  O duro é quando a fase passa e os ingredientes ficam à mercê do prazo de validade… e tudo vira sopa.

Tudo que eu faço é horrível: cozinho todo dia, pra família, sem problemas, mas sabe quando o feijão fica sem caldo, o arroz empapado, o bife meio duro, vontade extrema de queimar todos os utensílios de cozinha (nunca fiz isso, porque o prejuízo seria muito grande e eu não tô podendo com mais dívidas).

Eu sou saudável e ninguém vai me contrariar: a fase do arroz integral, do tofú e da saladinha. Olha, eu achei uma receita de hambúrguer de quinoa, que ó, é sensacional.

O delivery é o meu salvador e nada me faltará: enfim, quem cozinha todo santo dia, tem a fase de querer só pedir comida, de experimentar do sushi da padaria à lasanha do supermercado.

Normalmente essas fases todas convivem muito bem numa mesma semana, algumas vezes são mais duradouras, ou mais breves, mas no geral é assim que lido com o fato de ter que suprir as necessidades alimentícias aqui de casa.

Beijo, essa sou eu. Não esperem receitas gourmet aqui, porque eu vou falar do meu aprendizado, porque minha história com as refeições caseiras começou no susto, que ainda não passou completamente.

A despeito da minha preguiça de lavar as panelas, ainda bem que a humanidade não chegou a esse ponto.

Anúncios

Sobre Fabiana Nascimento

Mulher desdobrável.
Esse post foi publicado em Apresentação. Bookmark o link permanente.

7 respostas para Apresentação – Fabiana Nascimento

  1. annerodrigues disse:

    Oi Fabiana, vamos agitar nossa cozinha? Fiquei feliz com a sua chegada e a nossa volta.
    Beijinhos e fique à vontade.

  2. Deh Capella disse:

    Todos esses eus-cozinheiros se manifestam em mim também. Um brinde ao recomeço!

  3. Darlana Godoi disse:

    Você me descreveu kkkk Voltemos!

  4. fabinascisilva disse:

    Aê, todas feministas inconstantes na cozinha!

  5. Camila disse:

    Adorei o post, Fabiana! Eu tô agora numa fase “onipotência” e “eu sou saudável”… 😀

  6. Toda feliz com essa farra ao pé do fogão, 😉

  7. Amei, Fabiana!

    Ai, estou na fase “Tudo que eu faço é horrível” e, realmente, veio depois de me sentir onipotente e fazer muita caca por aqui, hehe.

    Fico muito feliz com o ressurgimento deste blog. Quando eu deixar de me sentir apenas cozinheira de miojo, voltarei a contribuir. 😉

    Bjão e abafem no tempero!

Os comentários estão encerrados.