Comer…palavras

“Arrependo-me dos pratos deliciosos rejeitados por vaidade, tanto como lamento as oportunidades de fazer amor que deixei passar para me dedicar a tarefas pendentes ou por virtude puritana”. I.A – Afrodita

Neste sábado vou ficar devendo uma receita para vocês…

Mas vou deixar uma lista de livros, sobre comida, sobre ingredientes, sobre cozinhar, que vão fazer vocês devorarem as palavras e desejarem experimentar as surpresas gastronômicas que estão em cada página!

A Festa de Babette – Karen Blixen

Os pratos sofisticados da cozinha francesa do século 19, levados para uma aldeia dinamarquesa… além da viagem gastronômica, um prazer em ler e conhecer a crítica a uma sociedade que impediu que a autora publicasse com seu verdadeiro nome, pois mulheres escritoras não eram bem vistas… o livro foi publicado como sendo da autoria de um pseudônimo, Isak Dinesen.

O prazer de cozinhar... Cena do filme A Festa de Babette

Afrodita – Isabel Allende

Isabel Allende é sempre deliciosa de ler. Meu preferido é Eva Luna, mas este, um misto de memórias, receitas e reflexões sobre a vida, o amor, o sexo e o erotismo, está disputando o favoritismo… Me faz desejar ter à disposição os ingredientes que ela cita… Detalhe: comprei o livro em Buenos Aires, em espanhol, e meu conhecimento não é assim tão bom na língua, então, quanto aos ingredientes, alguns eu fico boiando e tenho que procurar nos dicionários…
Mas o prazer de ler os nomes de coisas que já conhecemos, com uma sonoridade distinta, parece que muda até o sabor, não acham?

Por exemplo: presunto. Ok, é bom, alguns são melhores, depende da receita, tudo bem.

Mas, jámon! Afrodite, Atena, Deméter, Deusas do Olimpo! Que maravilha…

E as palavras de Isabel despertam não só o apetite, mas O apetite, me entendem? ;-D

‘Dedico estas divagações eróticas aos amantes brincalhões e – por que não? – também aos homens assustados e às mulheres melancólicas.’
I. A.

Como água para chocolate – Laura Esquivel

Lembro que depois de assistir ao filme e ler ao livro, fiquei tentada a experimentar uma receita que levasse pétalas de rosas… 

E sobre o título:

Para que o chocolate derreta é preciso que a água esteja fervendo; então, se a pessoa está “como água para [fazer] chocolate” significa que está fervendo – de raiva ou de outra emoção.”

Quantas vezes fervemos, ficando “como água para chocolate”?

Cena do filme Como água para chocolate, do diretor Alfonso Arau

Espero ferver mais de amor que de raiva, mas, quem garante? A vida não tem receitas, ou garantias, ou laços ou redes de segurança.

A Senhora das Especiarias – Chitra Divakaruni

Este não traz receitas, mas uma história fantástica onde os sabores, aromas e texturas das diversas especiarias nos convida a experimentar mais da vida, a ousar, a sonhar…

Aromas, sabores, texturas... perfume, ardor, mistérios

Conta a história de uma indiana, que tem uma loja de especiarias em Los Angeles. Mas não é tão simples assim… vai, leia! É cheio de surpresas, e bem melhor que o filmeco que lançaram, vai por mim!

———————————————-

Tenho ainda outras obras, e outras cenas, de obras que nem tem a ver com culinária, como uma receita de omelete, que aparece, do nada, no meio de um dos livros da série “Angélica, a Marquesa dos Anjos”… Um dia eu encontro onde está e posto para nós!

E vocês?

Quais livros que você já leu que te deixam com vontade de comer as palavras?

*(E hoje, nem falei sobre o brasileiro que me deixa com água na boca em quase todos os livros: Jorge Amado… Quem leu Dona Flor e não teve vontade de comer moqueca de siri mole? Ou pelo menos provar um pouquinho que seja do “cágado guisado” ou outro prato incomum? O próximo post será sobre culinária bahiana, com direito a acarajé e cocada! )

** Vendo, agora, que todos esses livros de que falei acima foram escritos por mulheres… hum… momento reflexão, agora?

Anúncios

Sobre renatalima91

Ninguém na fila do pão. Delegada de Polícia, mãe, feminista.
Esse post foi publicado em Trem Bão (Um Cadiquin das Geraes) e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Comer…palavras

  1. Regina disse:

    Valeu, adorei o cardapio.

  2. renatalima91 disse:

    Que bom!
    Aproveite!

  3. Borboletas nos Olhos disse:

    Lendo e pensando justamente no Jorge Amado, os livros não são sobre comida, mas têm aroma, textura, sabor…como se fossem baianos pratos, saborosos e intensos. Amei o post, vou lembrar de mais algum livro…

  4. Adorei!!! Sempre achei que a comida tem um quê inexorável de emoção… Aquele prazer que dá em testar os temperos soa algo tão similar a quando estamos escrevendo um texto. Experimentamos as palavras, da mesma forma como vamos colocando o açúcar… Hum, como é bom ser uma feminista na cozinha!!!

  5. Eu amo “A senhora das especiarias”. É um dos livros mais lindos que já li!
    amei o post. =) beijo!

  6. Pingback: Comer… palavras – II | Feministas na Cozinha

Os comentários estão encerrados.