Torradas da delegada

“Eu tava só, sozinho, mais sem graça que a top model magrela na passarela… ”

Zeca Baleiro sempre me encantou.

Conheci nos idos de 95 ou 96, através da Gisele, amiga linda, que hoje está longe na distância  mas sempre perto do coração, como são os verdadeiros amores (amizade é amor, lógico!)

E o Zeca já cantava

“Mundo velho
E decadente mundo
Ainda não aprendeu
A admirar a beleza
A verdadeira beleza
A beleza que põe mesa
E que deita na cama
A beleza de quem come
A beleza de quem ama
A beleza do erro
Puro do engano
Da imperfeição… ”

Sabe quando vc quer algo diferente prum café da manhã tardio, meio que um brunch (importaçãozinha de filme americano, mas que em finais de semana agitados, me cai muito bem) mas que seja rápido e fácil e gostoso?

Experimentando, cheguei a esta “torrada”, que inventei  a partir de uma cena de “Kramer vs Kramer” (filme incrível, diga-se de passagem, com a sempre magnífica Meryl Streep, fazendo uma mulher que abandona a carreira pela família, mas depois percebe que não seria feliz só como mãe, e aí, “abandona” marido e filho, pela carreira. Dá para refletir, né, nessas “escolhas”… )

Pão, adoro pão.

Francês, de forma, baguete, ciabata, novinho, esquentado na chapa, torrado…

E leite.

E ovos.

E tempero. Sal. Pimenta. Orégano, sempre cabe.

Ferve a água para o café. Coloca o pó no coador.

Esquenta a frigideira, bate os ovos, dois ou três ou um… com o leite.

Bate com os temperos.

Molha o pão na mistura, leva para a frigideira já quente, com margarina ou manteiga.

Tosta de um lado. Passa o café.

Tosta do outro.

Prova o café.

Termine a torre de torradas, e coloque os acréscimos que desejar: queijo, presunto, molhos, o que quiser.

Cabe.

E aí, senta, toma o café tardio, ouvindo  Zeca Baleiro, e aproveite, que acordou com uma receita gostosa, simples e rápida e faça como ele:

“Por isso hoje eu acordei com uma vontade danada de mandar flores ao delegado… de bater na porta do vizinho e desejar bom dia… de beijar o português da padaria!”

Bom dia! Boa tarde! Bom fim de semana!

*Zeca Baleiro tem essa capacidade de me deixar feliz!

E com vontade de experimentar arroz de cuxá e cozido de jurará.

Maranhão, me aguarde que eu vou já! E visitarei o Ceará na volta!

** Claudinha escreveu sobre as músicas que gosta de ouvir cozinhando, então, este post é para vc também, linda!

***  Campanha para a adoção do Lucky:

Gente, este cachorrinho fofo é o Lucky (nome provisório, mas ele atendeu…)

Lindo cachorrinho para adoção em BH!

Encontrei ele na rua ontem, todo sujo, maltratado, assustado e traumatizado.

Já levei ao veterinário, está vermifugado, vacinado, de banho tomado, lindo e já está se aclimatando aqui.

E este é o perigo: eu não POSSO ficar com mais um bichinho no apartamento senão vão me despejar!

Então, pessoal de BH ou que conhece gente de BH, ajudem o Lucky!

Ele é pequeno (menos de cinco quilos), tem mais ou menos dois anos, e é muito carinhoso.

Anúncios
Esse post foi publicado em Trem Bão (Um Cadiquin das Geraes) e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Torradas da delegada

  1. Borboletas nos Olhos disse:

    Rá, faço sempre torradas assim, que coincidência! E, variando um tiquinho, ela vira rabanada, né? É só caprichar mais no mergulho no leite e ovo e depois passar em açúcar e canela (eu amo canela, já disse?)

    Quanto ao Zeca, é meu sonho de consumo. A-do-ro a espirituosidade, o jogo de palavras, o ritmo, tudo. Bjs e bjs

  2. Ainn, vou experimentar essas torradinhas qdo voltar pra casa (por enquanto, estou curtindo os paparicos dos sogros, enquanto marido termina de arrumar a casa pra eu poder voltar).
    E Zeca Baleiro, ah, esse danado, que parece cantar enquanto começa uma prosa emendada com outra, só pra nos encantar?
    beijos e amor!
    Babi M

  3. Anne disse:

    Adoro café da manhã desse jeito, cheio de gostosuras. Delícia maior é ficar ouvindo Zeca Baleiro junto.
    Adorei. Nunca fiz torrada desse jeito salgada, sempre acabo fazendo rabanada, ou misto quente.
    Obrigada pela receita diferente para mim.
    Beijinhos

  4. Pingback: Celebração! | Feministas na Cozinha

Os comentários estão encerrados.