Outra Cozinha

Nesta cozinha eu pouco faço. Abro a geladeira, bebo a cerveja, sento no banquinho e papeio. Da comida cuida ele, amigo de tanto tempo que eu nem me saberia dizer sem seu nome. E rimos todos, ele, eu e ela, amiga de agora que eu já sei de sempre. Primeiro, pica a cebola, miúda, miúda. E o gorgonzola, cubinhos. Rala o parmesão, bastante. Deixa a pera pra cortar quando o risoto estiver quase pronto. Em outra panela, o caldo. Refoga a cebola, coloca o arroz e mexe, mexe, vai despejando o caldo aos poucos, quase seco? mais caldo. Chega gente, tão querida, amigos, mais cerveja, mais riso, mais caldo no risoto. Tá pertinho? Coloca os queijos. Tá com fome? Pedacinhos de pera.

O segredo: não leva vinho, use cachaça e sorrisos. Fica uma delícia.

PS. Fotos quando a Renata conseguir parar de farrear.

Anúncios

Sobre Borboletas nos Olhos

É melhor morrer de vodka do que morrer de tédio, disse Maiakovski. Brindo a isso enquanto acontecem-me coisas surreais. Segue o meu perfil quando me vejo assim: cara a cara comigo mesmo. Ou seja, meio de lado. Um mosaico com rachaduras evidentes. Nostálgica, mas disfarço com o riso fácil. Leio de tudo e com desespero. Escrevo sem vírgulas, pontos ou educação. Dou um boi pra não entrar em uma briga, o resto já se sabe. Considero importantíssimo saber rir de mim mesma. Nem que seja pra me juntar ao grupo. Certa da solidão, fui me acostumando a ser boa companhia. Às vezes faço de conta que sou completa, geralmente com uma taça na mão. Bebo cerveja, bebo vinho e, depois das músicas italianas, bebo sonhos. Holanda, por parte de mãe e de Chico. John Wayne, por parte de pai. Borboleta e Graúna por escolha e história. Tenho uma sacola de viagem permanente no meu juízo e a alma, de tão cigana, não para em palavra nenhuma. Gostaria de escolher meus defeitos, mas não dando certo isso, continuo teimosa. Não sei usar a nova regra ortográfica. Nem a velha, talvez. Amo desvairadamente. E tento comer devagar. Sei lá, pra compensar, talvez. Tem gente que tem a cabeça no mundo da lua. Eu não. Quando vou lá, vou toda. Sou questionadora, mas aceito qualquer resposta. Aspecto físico? Língua afiada e olhos cor de saudade. Gosto de fazer o que eu gosto. No mais, preguiçosa. Sabia o que é culpa, mas esqueci. Nada mais a dizer, prefiro andar de mãos dadas. E dormir acompanhada. Mas, bom, bom mesmo é sal, se você já leu Verissimo.
Esse post foi publicado em Borboletas na Cozinha. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Outra Cozinha

  1. renatalima91 disse:

    Receita de outras cozinhas, outros sabores, outros olhares.
    Sabores de novas amizades, novos lugares, novos calores.
    O riso que é igual ao que se imagina, o sotaque cantado que contagia.
    Para saborear de verdade, é preciso largar mão de ser tímida, e ousar atravessar um estado (ou vários) para dar aqueles abraços apertados!!!

    Beijos saudosos para vc e para o nosso cozinheiro divino!

  2. Luciana disse:

    Renata, se há um bom motivo pra cozinhar é ter gente que nem tu na cozinha \o/

Os comentários estão encerrados.