Morno

Mas se der a madrugada, as memórias diluírem-se e a vontade de comer chegar, é fácil:

corta o pão em rodelas, esfrega alho ou passa uma bela pasta do mesmo, banha de azeite e coloca no forno. Enquanto isso, numa panela, azeite, cebola minusculamente picada, tomate sem pele e paciência. Um tantinho de sal, outro de açúcar, como na vida. Quando já for um inconsistente molho grosso e embolotado, joga folhas de manjericão. Um monte. Fecha os olhos, sente o cheiro. Pinica tudo que você curte: tomate seco, cogumelo, gorgonzola, bacon torrado, provolone, por aí vai. Ah, já retirou os pães do forno a um tempinho, né? Não era pra assar completamente, só pra pegar o sabor e o jeitinho de torrada. Vai montando suas bruschettas conforme gosto pessoal: molho e gostosuras, com algum queijo finalizando. Faça pelo menos uma da mais simples: esse molho, queijo mussarela e mais manjericão. Coloca no forno de novo até o queijo desmanchar e o cheirinho lhe fazer salivar. Voilá, bruschetta também não é um prato que se come frio.

Anúncios

Sobre Borboletas nos Olhos

É melhor morrer de vodka do que morrer de tédio, disse Maiakovski. Brindo a isso enquanto acontecem-me coisas surreais. Segue o meu perfil quando me vejo assim: cara a cara comigo mesmo. Ou seja, meio de lado. Um mosaico com rachaduras evidentes. Nostálgica, mas disfarço com o riso fácil. Leio de tudo e com desespero. Escrevo sem vírgulas, pontos ou educação. Dou um boi pra não entrar em uma briga, o resto já se sabe. Considero importantíssimo saber rir de mim mesma. Nem que seja pra me juntar ao grupo. Certa da solidão, fui me acostumando a ser boa companhia. Às vezes faço de conta que sou completa, geralmente com uma taça na mão. Bebo cerveja, bebo vinho e, depois das músicas italianas, bebo sonhos. Holanda, por parte de mãe e de Chico. John Wayne, por parte de pai. Borboleta e Graúna por escolha e história. Tenho uma sacola de viagem permanente no meu juízo e a alma, de tão cigana, não para em palavra nenhuma. Gostaria de escolher meus defeitos, mas não dando certo isso, continuo teimosa. Não sei usar a nova regra ortográfica. Nem a velha, talvez. Amo desvairadamente. E tento comer devagar. Sei lá, pra compensar, talvez. Tem gente que tem a cabeça no mundo da lua. Eu não. Quando vou lá, vou toda. Sou questionadora, mas aceito qualquer resposta. Aspecto físico? Língua afiada e olhos cor de saudade. Gosto de fazer o que eu gosto. No mais, preguiçosa. Sabia o que é culpa, mas esqueci. Nada mais a dizer, prefiro andar de mãos dadas. E dormir acompanhada. Mas, bom, bom mesmo é sal, se você já leu Verissimo.
Esse post foi publicado em Borboletas na Cozinha e marcado , , , , . Guardar link permanente.

14 respostas para Morno

  1. renatalima91 disse:

    Lirismo culinário.
    Lirismo na vida.
    Seus textos, aqui ou lá no BF, são sempre emocionantes!
    Adoro!
    E vou fazer a bruschetta o mais rápido possível!
    Bj enorme!

  2. Sara Joker disse:

    Lindo e muito apetitoso o seu post Lu! Já sei o que vou fazer pra petiscar nesse sábado a noite!

  3. Luciana disse:

    Renata, faz, faz mesmo, é uma delícia. E obrigada pelo elogio quanto ao estilo…é que eu não sei cozinhar, então é bom dar uma caprichada nos acompanhamentos, né.

  4. Luciana disse:

    Opa, é bom com um belo vinho…#ficadica.

  5. depois de tudo um salto 15! eita!

  6. Luciana disse:

    Já cantava Elis: é preciso ter manha, É preciso ter graça…

  7. Cecilia disse:

    Lu, você é demais! Amo seus textos! Simples assim.
    Fizemos bruschettas aqui em casa, delícia!
    Beijos

  8. Luciana disse:

    Fez e nem pra dar a dica pra gente das variações que com certeza você implementou? 😦

  9. S. disse:

    delicia de texto, amada

  10. Cecilia disse:

    Queridona, eu fiz na sexta. Mas a minha é de preguiçosa: peguei uma caixinha de molho branco pronto, misturei com um punhadinho de palmito e azeitona picados, tasquei uma porçãozinha de queijo ralado, cobri as bruschettas pré-torradas e deixei gratinar bem no forno. A nossa favorita é a de camarão no molho branco. Beijos!

  11. Luciana disse:

    Delícia é ser lida por você…

  12. Larissa disse:

    Luciana, adoro seus textos! Delícia! Bjão! (ah, também tenho blog de culinária e também sou feminista! = )

  13. thayz athayde disse:

    Ahhhhhhh! Faltou açúcar no que eu fiz! 😦

    Obrigada Borboleta! 😀

  14. Pingback: Esquenta | Feministas na Cozinha

Os comentários estão encerrados.