Para o bolo dar certo

Durante os dois anos em que banquei a confeiteira semi-profissional, aprendi alguns macetes, inclusive por tentativa e erro, que vou compartilhar aqui com vocês.

Primeiro, muita gente não tem batedeira de bolo, mas isso não pode ser impedimento para fazer um bolo caseiro. Bolos mais úmidos, que geralmente levam óleo, podem muito bem ser feitos no liquidificador ou no processador. O importante é bater apenas os ingredientes líquidos e incorporá-los aos ingredientes secos com bastante cuidado em uma tigela. O fermento é sempre colocado ao final.

A temperatura do forno é fundamental. Eu costumo deixar o forno aquecendo por um bom tempo, mas ao colocar o bolo para assar, regulo o forno para a temperatura média e não abro o forno até que o aroma do bolo esteja bem intenso – é uma espécie de senha de que o bolo está pronto ou quase. Com a prática, nem é preciso espetar uma faca, pois um sinal de que o bolo está bem assado é que as laterais ficam ligeiramente desgrudadas da forma.

Os ingredientes precisam estar na temperatura ambiente, e é preciso prestar atenção à validade. Eu não armazeno farinhas e fermento químico na geladeira.

As receitas que levam mais ovos precisam de batedeira (ou de braços muito fortes para bater claras em neve à mão) e, nesse caso, a minha sequência é: bater as claras em neve primeiro (porque os batedores precisam estar totalmente limpos e secos para as claras crescerem) e reservar. Depois bater bem os ovos com o açúcar e eventualmente manteiga, se houver na receita. Incorporar leite ou sucos e farinhas de modo alternado e com bastante delicadeza. Por fim, misturar o fermento e por último as claras em neve.

E como rechear um bolo sem que ele fique todo torto? Aprendi um método um pouco mais trabalhoso, chamado de bolo prensado, mas que é garantia de bolo nivelado, úmido e com recheio bem distribuído.

Arquivo pessoal: Cecilia Santos - Bolo de camadas recheado com mousse de chocolate e mousse de maracujá e coberto com marshmallow

1) Desenformar o bolo, deixar esfriar completamente, e com uma faca de pão comprida, cortar o bolo em camadas – quanto mais finas, mais saboroso fica o bolo.

2) Forrar a mesma forma em que ele foi assado com um plástico ou filme. A primeira camada a ser colocada é a camada do fundo, pois é a mais nivelada e a que vai ficar por cima quando o bolo for invertido. Alternar as camadas de bolo com o recheio até terminar, pressionando cada camada de bolo para o recheio abaixo dela ficar bem distribuído. Regar cada camada com uma calda de açúcar rala.

3) Levar o bolo à geladeira, de preferência de um dia para o outro. Tirar da geladeira uns 30 minutos antes de finalizar. Daí é só inverter o bolo sobre o prato ou bandeja em que ele será servido e aplicar a cobertura.

São dicas simples, muitas das quais aprendi com a minha mãe. Provavelmente vocês terão outras dicas que eu não conheço e vou adorar aprender.

Falando na minha mãe, cresci ouvindo-a dizer que fazer bolo quando a gente não está com o espírito muito bom não dá certo. Será apenas superstição? O que vocês acham?

Anúncios

Sobre Cecilia Santos

Tradutora e blogueira
Esse post foi publicado em S.O.S. Doçura e marcado . Guardar link permanente.

10 respostas para Para o bolo dar certo

  1. Anotadas todas as dicas…vou passar pra minha mãe, pra minha irmã, pra minha cunhada, pro meu irmão…pra toda essa gente que não sou eu e tem a mágica habilidade de fazer bolos 😉

    Minha falta de jeito é tanta que nem bater clara em neve eu sei…(mas você, em compensação, não só sabe fazer como sabe explicar muito bem explicadinho…)

  2. eu sou péssima em bolo, assim como a Lu, nunca consegui bater clara em neve, só na planetaria da minha mãe…rs

    mas descobri aqui em Sampa, por ter um marido viciado em bolo, que sou perfeita naqueles de pacote! ( ja é um começo, e claro dou o meu toque acrescentando ingredientes para melhorar…)

  3. renatalima91 disse:

    Cecília,
    Lembro de minha avó, toda vez que faço bolo.
    Ela não gostava da batedeira, e batia as claras em neve com um garfo!
    E olha, tem que ter braço mesmo, eu nem com o batedor animo muito…
    Mas lembrei dela e da minha mãe, quando você falou da ordem dos ingredientes!
    Blz de dicas!
    Bjs!

  4. Cecilia disse:

    Tá certíssima, Lu. Trabalhei com um cara que tinha um amigo que tinha um iate, e meu colega dizia que jamais trocaria de lugar com o cara. Beijos!

  5. Cecilia disse:

    A planetária foi meu melhor investimento recente. Mas concordo, tem bolo de caixinha muito bom!

  6. Cecilia disse:

    Pois é, Renata, eu tenho verdadeira reverência pelas cozinheiras antigas, que faziam doces e bolos maravilhosos sem o mínimo de tecnologia, apenas contando com ingredientes saudáveis e muita disposição. Beijos!

  7. Você é fofaaaa!

  8. Cozinhar é doação, entrega. Acho que a sua mãe está certíssima. O humor, o astral, o estado emocional de quem cozinha interferem e muito na preparação do alimento que se prepara. Adoro cozinhar, mas sou péssima boleira. Vou tentar seguir as dicas, quem sabe dá certo. Beijos!

  9. celena disse:

    bom serteza nao tenho mas o meu bolo nao fica muito bom quando estou com raiva mas estabu dizem q a comida pega sua enegia entao e isso ai

  10. Maria josé oliveira disse:

    ´È verdade as vezes não sai muito bem como desejamos,tudo que for feito tem que ser por amor,se não tem amor então não tem nada não dá certo é melhor não fazer.essa é a minha dica fica com Deus.

Os comentários estão encerrados.